SIGA O MEU BLOG

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

ACORDA ISRAEL!



Lamentai Israel!
Chore o teu sangue
Gota a gota...
Pingente!
Em árida face.

Murchai a tua vida,
Secai as entranhas,
Lento...
Lentamente!
Em teu âmago bélico!



Lamentai Israel!
Vendai os teus olhos,
Míopes:
Vazados...
Em órbitas lacradas!

Murchai o teu orgulho
Emudecendo-te a voz,
Gaga e
Rouca...
No silêncio da tumba!

Lamentai Israel!
O abandono de Deus
Passo a passo...
Caindo no vácuo!

Chorai... Órfã!
Às migalhas,
Farelo a farelo...
Do festim do Céu.

Lamentai Israel!
A chacina vil,
Petardos, metralhas...
Sobre meninos!

Chorai desgraçados
O parir das bombas,
Impactos,
Hecatombes...
Contra os idosos!

Lamentai Israel!
O fio da espada,
Gélido,
Penetrante...
No ventre de mulheres!

Chorai infelizes!
Bíblico povo de Deus,
Trêmulos,
Hesitantes,
Agora... Ímpios ateus!

Lamentos e lágrimas
Purificando a alma:
Devagar...
Seguidamente!
Pára o puro lapidar!

Recolhei às tuas armas,
Abriga-te no templo,
Orando, rezando,
Redimindo...
Dando bom exemplo!

Saneai os teus irmãos!
Expurgando os maus,
Um a um...
Todos!
Purificando os justos!

Assim, oh Israel!
Nação de Deus bendita!
Voltarás... Para sempre!
Ao seio de Emanuel.

Às tuas fronteiras
Alastrar-se-ão
À frente...
Circundante!
Absorvendo a todos!

Troque armas e munições
Por alimentos e flores,
Abraços, apertos de mãos,
E a palavra do Redentor!

De um povo confinado
Transfigurarás em bonança:
Parábolas/ salmos/ louvores!
Frutos da...
ETERNA ALIANÇA!

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

CONHEÇA O "POPPIN"


Popping no início dos anos 70 em uma pequena cidade americana chamada Fresno na Califórnia. Seu criador foi Boogaloo Sam que logo mais formaria um grupo chamo Electric Boogaloo. O Poppin é a evolução de uma dança antiga, o Robot (que era apenas a cópia dos movimentos mecânicos de um robô).
Mas o estilo ficou muito mais complexo, pois, não é tão frio como o Robot, tem muito mais energia e se apropria de movimentos de ilusão, mímica, lown (palhaço), desenhos animados e dança indiana, também foi inspirado por passos usados pelo cantor Jame Brown que ele mesmo chamava de Boogaloo (fazendo ondas pelo corpo).
Boogaloo Sam, eletrificou o Robot e somou ao Boogaloo de James Brown. Do Poppin também surgiu um passo muito conhecido e usado por Michael Jackson, originalmente Back-Slide (deslizar para trás), pois Moonwalk como foi chamado por Michael, na verdade é quando se desliza para frente.

Boogaloo Sam irmão de Poppin Pete que atuou no filme Break Dance, no clipe Beat it de Michael Jackson entre tantos outros, ele também fazia parte do Eletric Boogaloo. 
Apesar de ser criado em Fresno, muitas cidades da região como Backersfield, Sacramento e Compton, desenvolveram seu estilo e passos próprios no Popping. Isso ajudou a desenvolver a dança mais ainda. E quando chegou até o mundo nos anos 80 já era algo extraordinário. 

Grandes dançarinos da segunda geração como Boogaloo Shrimp (Turbo no filme Break Dance) e Poppin Taco (filme Break Dance) ficaram conhecidos no mundo inteiro por causa de suas inovações no Poppin. Muitos dançarinos da primeira geração como Poppin Pete, Skeeter Rabbit continuam na ativa até hoje e viajam o mundo passando para as próximas gerações a verdadeira essência do Poppin. 

http://soulstreetsdance.blogspot.com/2008/12/popping.html


quarta-feira, 14 de outubro de 2009

LIBERTANDO-SE DOS SONHOS (por Adilson Costa)

Em um distante mundo de sonhos
Um homem sonhava acordado,
muitas vezes acreditava no sonho,
outras acordava assustado.

Seus sonhos refletiam seus desejos,
Deixava exposta suas angustias e medos,
o deixava a mercê de outros,
que descobriam seus segredos.

Como seus segredos foram revelados,
esse homem não tinha mais receios,
reunião suas forças,
e colocou seus sonhos no papel,
isso refletia sobre seus atos,
e descobria que podia mais,
somente um passo lhe restava,
um passo importante,
esquecendo o restante,
aprendeu não ser o bastante
somente sonhar,
ele acordou para a vida
e a vitória foi encontrar.

*Adilsoon Costa é poeta
http://adilsoncosta.com/

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

QUE FUTURO TERÃO ESSAS CRIANÇAS?






Crianças desnutridas
Olhos famintos
Em busca de comida
Catando lixo










Dormindo ao relento
Vivendo feito bicho
Sem perspectiva de vida
Abandonadas ao destino













Em absoluta miséria
Sempre em luta constante
Pela sobrevivência











Que futuro terão essas crianças?






 * Fabiana Cruz compositora e poetisa Salvador-Ba.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

ADAURI ALVES (por Thaís Matarazzo)

Conheci o sr. Adauri Alves, no início de 2001. A maioria das manhãs passava a consultar rolos de microfilmes, de diversos periódicos, na Biblioteca Municipal Mário de Andrade. A pesquisa é um trabalho solitário, por vezes, extenso e cansativo. O tema da minha pesquisa era a cantora Aurora Miranda.
Já tinha um bom material compilado. Na sala de microfilmes existiam duas máquinas para consultas, era sempre necessário agendar com bastante antecedência, a procura era grande. Foi numa dessas manhãs, que um senhor, que estava na máquina ao lado, puxou conversa comigo.

Fiquei com certo receio, porque nunca gostei de gente que fala demais, mas no caso, esse senhor a discorrer com muita propriedade sobre a música brasileira, especialmente, sobre a Era de Ouro do Rádio. Ai, eu perguntei: "O sr. bem que poderia me auxiliar na minha pesquisa!", ele disse que sim. Era o sr. Adauri Alves.



Dali nasceu uma amizade muito sincera e bonita. Foi uma das únicas pessoas que me estendeu as mãos, por que, ninguém me dava crédito, uma iniciante.
É incrível o julgamento dos mais velhos com os mais novos nesse sentido. Muitos, com imensa soberba e sisudez, fazem pouco dos jovens, atribuem valores negativos, sem ao menos saber como ele está desenvolvendo seu trabalho.


Quando comecei a pesquisar, não sabia quase nada sobre outros arquivos e bibliotecas da cidade, foi o sr. Adauri, que pacientemente, me levou a outros locais, me mostrava as revistas, jornais, livros, etc; sempre dizia: "- Dentro de uma biblioteca você deve ser antes de tudo um curioso!", ele tem razão. Afirmava que para os pesquisadores e escritores o caminho mais difícil era o "caminho das pedras".


Eu não entendia bem, mas depois descobri que o tal caminho era o conhecimento que você adquire conhecendo os lugares, sua história e seus acervos. Sempre repetia: "Ler sem refletir é comer sem digerir".



Depois de um tempo, o senhor Adauri disse que respeitava meu trabalho de pesquisa, porque era jovem, mas fazia tudo com amor e seriedade. Por diferentes vezes, eu servia de secretária do sr. Adauri, ele partia para entrevistar uma fonte, nos diversos cantos da cidade, eu seguia junto, fotografava, anotava dados, e assim fui me apaixonando pelo jornalismo.


O sr. Adauri é tido muitas vezes por ser uma pessoa rebelde, mas isso tudo porque ele quer mostrar para as pessoas como são alienadas e manipuladas. Em 90% das vezes, sempre é mal interpretado. São poucos que reconhecem seu trabalho, sabedoria e amizade.


Sei que ele nasceu na cidade de Arapongas, no Paraná, terra que nunca deixa de exaltar. Seu pai trabalhou na estrada de ferro, quando o menino tinha oito anos, ficou órfão, tinha seis irmãos mais velhos. Passaram muita necessidade, a mãe passou a lavar roupa para fora. O sr. Adauri é negro, sempre lutou contra o preconceito racial, e assim ensina todos as pessoas da sua raça, para não abaixarem a cabeça, não serem subservientes, está sempre patrocinando e criando núcleos de consciência negra. 
Ele sempre contava que na sua cidade existiam muitos italianos, e que esses eram “negros virados do avesso”, por ser um povo quente e não levar desaforos para casa. Lembrava com carinho, da D. Lúcia, uma italiana que deixou saudades. Já era um menino dinâmico, gostava muito de estudar.


Veio para São Paulo em 1966, foi trabalhar em um açougue, na Consolação, um bairro em ascenção, nobre e onde moravam muitos artistas. Ao realizar as entregas das carnes, conheceu muitas personalidades da época como Roberto Carlos, Hebe Camargo. 
Lembro-me, especialmente, de um episódio que sempre contava: numa tarde foi entregar carnes na casa do Dr. Paulo Machado de Carvalho - dono da Rádio e TV Record; estava conversando com a cozinheira, eis que aparece o dr. Paulo, ordenou que a empregada servisse o almoço ao rapaz, depois perguntou para qual time torcia, Adauri respondeu: "São Paulo Futebol Clube", dias depois recebeu um embrulho, era uma camisa do São Paulo autografada e uma carta do dr. Paulo.


Não teve oportunidade de prosseguir seus estudos, mas sempre devorou livros. O sr. Adauri além de escritor e poeta também foi cantor. Chegou a gravar alguns LP's. Mas, logo, se desiludiu com o mundo artístico e deixou tudo de lado. Foi trabalhar como jornalista, passou a morar na cidade de Franco da Rocha, na grande São Paulo. Escreveu diversos livros, sempre resgatando a memória da cidade de São Paulo e redondezas, futebol, crimes, música, especialmente sobre a loucura. Casou-se e teve uma filha, Ana Lúcia, dentista, de quem fala com profundo orgulho e amor.


Neste mês de setembro faz exatamente dois anos que a Mário de Andrade fechou para reforma, já devia ter sido reaberta, mas as obras não foram concluídas. Recordei com muitas saudades de lá, das minhas pesquisas e também do sr. Adauri.


* Thaís Matarazzo pesquisadora, escritora e futuramente jornalista.



As obras de Thaís Matarazo, todas feitas em São Paulo, têm uma tiragem de 10 exemplares cada, distribuídas em bibliotecas, museus e arquivos de São Paulo e Rio de Janeiro



* Lírio do Amor - poesias - 2001
* Nas Ondas de Aurora Miranda, a outra pequena notável - 2002
* Nas Ondas: Sylvinha Melo, a bonequinha do Rádio- 2003
* Estrelas do Rádio Carioca (Cantoras anos 30: Cirene Fagundes, Madelou Assis, Glorinha Caldas, Marilú, Carmen Barbosa e Neyde Martins) - 2003
* Elisa Coelho, o pássaro cantador - 2003
* Nossas Cantoras de Rádio (Cantoras Rádio paulista, anos 30: Dolly Ennor, Helena Pinto de Carvalho, Sônia Carvalho, Agripina, Laís Marival, Alzirinha Camargo, Roxane e Cida Tibiriça) - 2004
* Dois Sambistas do Barulho -2004
* Elsa Laranjeira, a voz docura - 2005
* Simplesmente Maysa - 2005
* Odete Amaral, a voz tropical - 2005
* Neyde Fraga, a voz veludo - 2006
* Cidália Meireles, a voz de Portugal - 2006
* Cinderela, "a bonequinha" do Rádio Paulistano - 2007



Contato:



thmatarazzo@gmail.com

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

M.I.N.T.O (Linn Falcão)

Minto, às vezes minto sem querer
Minto por pura vaidade, por doce prazer
Minto e o faço  às vezes porque quero
Minto porque não se pode ser sempre sincero.

Minto pra de repente me salvar
Minto pra poder um sonho sonhar
Minto e quando é isso que se espera
Minto uma mentira bem sincera
Minto até  a hora de se acordar.

Dizer a verdade e ver o “bicho que dá"

Minto como uma antecipação da realidade
Até  transformar minha mentira em verdade
Minto às vezes dizendo verdades
Noutras digo verdades mentindo.

Minto pra não sentir saudades
Para haver sempre verdades fluindo
E ao dizer que te amo, estou mentindo
Porque é muito maior o que estou sentindo.

Minto porque o ser humano é assim mesmo: sem certeza
O que é feio pra uns, pros outros é  rara beleza.

Minto mas é sem crueldade
E muita gente vai ser feliz se a minha mentira um dia
Virar verdade.

* Linn Falcão é poetisa, diretora, atriz de Teatro e membro do Cia. Gruttateatral 
 Site: www.ciagruttateatral.com

-------------------------------------------------------

BIOGRAFIA CULTURAL:

Linn Falcão dirigiu e atuou nas peças: "O Formigão e a Gatinha" de Elizeu Miranda, "Conto de Natal" de Ricardo, "Rio de Muitos Janeiros Atrás" de Molini, "O Santo Inquérito"(esquete) de Dias Gomes, "Maria dos Milagres" de Molini, "Os Três Porquinhos" de Elizeu Miranda, "Mais Tarde Será o Mundo" de Luis Carlos S.Jr., "A Mulher Sem Pecado" de Nelson Rodrigues, "O Auto do Lampião no Além" José Gomes, "Apaga a Luz e Faz de Conta Que Estamos Bêbados" de Ronald Radde; "Boca de Ouro" de Nelson Rodrigues, "O Santo Inquérito" de Dias Gomes, "Os Três Peraltas na Praça" de José Valuzzi, "Fefê e Pipoca 2" de Júlio Venâncio, "Bonitinha, Mas Ordinária" de Nelson Rodrigues, "O Beijo no Asfalto" de Nelson Rodrigues. 
 
Ganhou o prêmio especial do júri do 26º Festival da Fataerj-2003 e o prêmio de melhor figurino no Festival do Rio-2007 por, respectivamente, "O Santo Inquérito" e o "Beijo no Asfalto".

 Escreveu também as peças de teatro: "Quando entrar setembro", "Muito além do celeiro", "O destino dos anjos", "O punhal de duas pontas", "A Resistência", "Não Posso Morrer Sem Você e Estranho Amor"; o conto: "Faço Isto Por Ti e Não Por Mim"; e o roteiro para média metragem, "O Cheiro da Noite".

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

O NEGÓCIO É SÉRIO (Lola Prata)






Aquele indivíduo, funcionário eficiente, temperamento expansivo, educação fina, sem defesas, sorria para todos. O Público a quem atendiam, não o pertubava, trazia-lhe satisfação, pois aproveitava os contatos, conversava com todos, vivia em paz. O funcionário continuava na mesma toada: de bem com a vida, transmitia serenidade e angariava amigos.

Menos, a consideração do chefe, que permanecia inconformado. Não era possível! Não compreendia! Atender gente o dia todo, durante meses seguidos e continuar com o sorriso nos lábios, tratando bem a todos, até mesmo aos reconhecidamente chatos (?); devia ser pouco serviço, ajuizava ele. 
Então, começou a premiar o rapaz com mais atribuições. Quanto mais sorriso, mais serviço.
 
Agora, o rapaz só dava conta da papelada, se ficasse fora do horário de expediente. Por um tempo, não reclamou, o salário era bom, então, correspondia da melhor maneira possível.
 
Mas, um dia, sua jovem esposa queixou-se da ausência dele no lar, da falta de companhia, pois queria-o ao seu lado para conversas sobre a vida, para lazer e lamentava o horário de seu regresso do trabalho, o que acontecia lá pelas 21 ou 22 horas.
 
Ele percebeu que há muito não se distraia, só preocupado com o acúmulo de responsabilidades no escritório. Sentiu o semblante sério e carregado. O espelho da sala lhe revelou raiva, cansaço físico e mental. Cara amarrada. Insatisfação com o ordenado.
 
Aí, a triste resolução: pede demissão, não real, mas psicológica, do trabalho. Limitou-se ao essencial. Nunca mais sorriu nos dias da semana.
 
Passou a ser feliz apenas aos domingos.



*Lóla Prata é escritora nascida em Santos (SP)

 http://www.lolaprata.com.br



terça-feira, 6 de outubro de 2009

V.I.D.A (Eva Caixeta)

                   






 
                    Sem ser convidada
                    Chego nesse momento
                    Sem medo
                    Sem pânico
                    Sem mistério
                    Na hora
                    Num ritmo binário
                    Sem relógio.
                    Alma transparente
                    Peito cheio de amor
                    Querendo viver o agora.
                    Seu hálito limpo
                    Me desespera
                    Não fujo
                    Fico parada
                    Muda
                    Fecho os olhos
                    Beijo sua boca
                    E vejo seus lábios sorrirem...
                                                         
*Eva Caixeta é professora e poetisa (Machado-MG)

MULHER NEGRA





Quando Deus fez você
caprichou em tua cor
das estrelas te deu o brilho
da luz da lua, fez o teu sorriso
e te temperou com muito amor.








O seu gingado veio das ondas
sua força vem direto da terra
se és divina quando ama
és valente quando em guerra.






Quando Deus fez você
não poupou em inteligência
te fez meiga, te fez forte
te deu muita resistência
mas também te fez vaidosa
Negra linda e orgulhosa.



 

Quando Deus fez você
te deu um grande coração
te fez negra mulher
pilar principal da família
e até de uma nação
te encheu de muito axé
recipiente de muita fé.






Quando Deus fez você
te fez mãe, amante e amiga
te deu toques de magia
o dom de sempre lutar
te deu sonhos pra sonhar
e deu de presente para nos homens
uma maravilhosa mulher para amar ...



* GILSON COSTA (poeta)

MARCO ANTÔNIO SOARES (escritor)

Os livros “Estórias Agora” (contos), “Instantes” (poesia) e “A Trajetória” (romance) do escritor guaxupeano Marco Antonio Soares de Oliveira foram incluídos no catálogo de leitura da Biblioteca Nacional da França François Mitterand (http://bnef.fr).

O comunicado foi feito pela própria entidade francesa. É mais uma honra para os guaxupeanos, pois Marco Antonio já tem alguns de seus livros expostos em bibliotecas inglesa, irlandesa e americana.
 O escritor, que faz parte da ‘geração da literatura’ em Guaxupé, como Elias José, Sebastião Resende, Chica Villas Boas e José Maria Pereira, prepara os originais para lançar em breve por uma editora paulistana, o romance ‘Dilacerações na Noite’.

FONTE:
http://www.gxp.com.br/site/2009/09/25/marco-antonio-e-prestigiado-na-franca/

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

PROJETO "VOLUNTÁRIOS DO RIO"

Conscientização ambiental é o objetivo do Projeto Voluntários do Rio que foi lançado no último dia 13 de setembro, com um canoaço (passeio de barco) pelos rios e mangues de Cubatão.
Uma parceria entre a Carbocloro e o Conselho Comunitário Consultivo (CCC), que tem como representantes lideranças de vários segmentos da comunidade.

FONTE:
http://www.marciarosa.com.br/noticias/index.php?storytopic=2

domingo, 4 de outubro de 2009

A linha de pescar que trouxe à tona uma babá-cantora

A primeira vez em que tentou tocar um instrumento, entusiasmada pelos cantos que afloravam pelo Nordeste, o resultado não foi lá um sucesso. Seu vizinho improvisou um violão com o que tinha: uma lata grande de goiabada cortada ao meio para amplificar o som das vibrações de linhas de anzóis, buscando pescar a melodia que fosse possível ao seu dedilhar ao longo do braço de mandacaru. 

Esperou ele sair para a roça, em Ipueiras, no Ceará, e correu para a casa dele. Pegou o tal instrumento, colocou-o nos braços, e num escorregar de dedos, quebrou uma das linhas de pesca, como um peixe bravo. 
A caixa de ressonância lhe veio à cabeça literalmente quando, irritado, o vizinho descobriu a ousadia. "É, e o sangue escorreu, viu", relembra Maria Lindalva Bezerra, 39 anos, a Lindinha Poeta, que já foi copeira, faxineira e, agora, é babá e cantora há um ano.

A ferida cicatrizou, mas ela manteve firme a idéia de fazer música, não importa o que fizesse para sobreviver. E hoje, além de a música que criou ter ajudado a conquistar o emprego de babá, seu som ganha espaço nas pequenas rádios de sua terra natal, onde também realizará 12 shows em setembro, agora em suas férias. "Vou cantar em bar, em boate e até em casa da luz vermelha", brinca a babá, enquanto cuida de um menino em uma praça na Vila Madalena, em São Paulo.


"Mas eu faço (música) pelo amor à cultura e por hobby. Eu acho que todos nós temos que pensar positivo também. Eu tenho sim um sonho, de um dia ganhar algum dinheiro. Meu sonho é no povoado onde eu nasci, onde eu não pude ter o que tenho hoje, e fazer um pequeno estúdio para dar aula para as crianças, passar o que eu aprendi. É esse o meu sonho", afirma a cearense, que desde 1986 está morando em São Paulo, onde criou seus quatro filhos e decidiu apostar em seus versos.

Com 16 anos, fazendo faxina em empresas à noite, conheceu o marido, com quem teve duas filhas e dois filhos. Quando a primeira completou dez anos, Lindinha a preparou para cuidar dos irmãos à noite para que pudesse completar o ensino médio em uma escola cujo nome prenunciava o seu destino: Escola Estadual Maestro Fabiano Lozano, em homenagem ao músico e instrumentista, morto em 65, considerado um grande pedagogo vocal do Brasil.

Nas aulas de literatura e de teatro, Lindinha criou coragem para escrever o primeiro poema, chamado "Umbigo e flor". "Tem o rei / tem a rainha / tem o sol e tem a lua / Tem um zangão / tem uma abelinha / um canário e a colerinha / Eu sou o umbigo / Você é uma linda flor / Eu sou o carinho / Você é o amor / Eu sou o jardim, e você, o beija-flor", cantarola. "Eu canto sertanejo e baião. Mas com as letras dá para fazer até um funk. Mas não quero fazer isso com elas não", brinca ela, que já tem 26 músicas.

A segunda foi inspirada na música "Paratodos", de Chico Buarque. "Li um trecho dessa música num livro de português e desafiei a professora. Disse que faria uma música melhor, em 30 minutos", sorri Lindinha, levando a imaginação para a letra de "Meu avô é francês".

Segunda ela, o gosto pela leitura, que a fez devorar livros do Jorge Amado, Clarice Lispector, Adélia Prado e Augusto dos Anjos também a ajudou nas letras. E, principalmente, uma disciplina em especial: teatro. "A Patrícia Teixeira, professora de teatro da escola, também me ajudou muito com seminários, trabalhando teatro e música. Foi muito bom e fui gostando daquilo e, agora, estou doente por música. Eu não vivo sem cantar, tentar passar o que tem de melhor para as pessoas. Ter mais paz."

Os estudos continuaram depois da escola, agora com a cantora Cris Mursa, que a ajuda a fazer arranjos. "Cris Mursa é minha professora de música, de violão e até de ginástica. E é minha terapeuta! Como não tenho muito tempo, e ela é muito profissional, faço tudo com ela."
 
Suas cantorias na copa de uma representação de uma empresa estrangeira no Itaim atraíram a simpatia da diretora, que lhe convidou para ser babá de seu filho, que também adora música. Como a patroa viaja constantemente e o pequeno fica na casa dos avós, Lindinha tem um tempo sempre para visitar a mãe, que mora agora em Crateús, e aproveita para apresentar suas músicas e buscar apoio das rádios locais.

Sua música já circulou na região pela na rádio Santa Fé, de Cratéus, Rádios Macambira e Rádio Vox, de Ipueiras. "Já foi até um dinheirinho prá minha mãe por causa disso." Mas e o sucesso? A fama? Ela afirma que não quer isso não. Mas na letra de uma de suas últimas músicas, que foi inspirada após ter conseguido a façanha de capturar vivo com as próprias mãos um sabiá e mostrá-lo à criança que cuida, Lindinha transparece o dilema que há entre o sonho e a realidade. "Eta vida bem difícil / É essa vida de babá / Ela tem uma decisão / Que ela vai ter que tomar / Entre a alegria de uma criança / E a liberdade de um sabiá."

Assim, vai levando a vida, estudando mais para tocar violão e cantar melhor, e colocando aos poucos seus trabalhos no Youtube, como no caso das músicas "Vaqueiro Valente" e "Sonhei com Você".



* texto de Roger Marzochi
Assista seus vídeos:
(http://www.youtube.com/watch?v=0InoERtMGlM)

(http://www.youtube.com/watch?v=_kc3zr4UkXw&feature=related).

MARLENE PASINI (poetisa mexicana)


Comunicóloga, escritora y poeta. Nació en Toluca, Estado de México, actualmente radica en el D.F. Realizó los diplomados de Dirección de Recursos Humanos y Relaciones Laborales en el ITAM y también Cursos y Talleres de Narrativa y Creación literaria.
Tiene publicados los poemarios: Cristal del tiempo, El silencio es otra noche y Recintos bajo el sol. Sus poemas se han incluido en diversas antologías poéticas y en revistas culturales de México, Estados Unidos, España, Perú, Italia y Argentina, país donde también se difundieron en programas radiofónicos.
Ha participado en encuentros nacionales e hispanoamericanos de poesía y recibido algunas distinciones, entre estas la mención honorífica en el VIII Certamen Internacional de Poesía Junín País 2009, Buenos Aires, Argentina y la mención honorífica en el Concurso Nacional de Poesía 2007, organizado por Casas del Poeta, Estado de México. La han traducido al portugués, al italiano y a la lengua sarda. 
Dentro de su obra también destaca la novela y literatura para niños.

*Marlene Pasini é poetisa mexicana
http://marlenepasini.blogspot.com



























Monteiro promove intercâmbio de manifestações artísticas da cultura popular do Semi-árido.

O projeto Semi-árido Musical aporta na cidade de Monteiro neste sábado (03/10/2009). O projeto tem como objetivo promover o intercâmbio de manifestações artísticas da cultura popular das cidades de Arcoverde,localizada no sertão de Pernambuco e Monteiro, localizada na região do cariri ocidental na Paraíba.O evento é uma parceria entre, Prefeitura Municipal de Monteiro, através da Secretaria de Cultura, Esportes e Turismo, Ponto de Cultura Orquestra Sertão e Associação Urucungo.

A partir das 15h de amanhã, será realizada uma oficina de xilogravura, tendo como público alvo alunos das redes pública municipal e estadual de ensino, universitários, artistas populares, pesquisadores e a comunidade em geral. 

A partir das 19h, no Arraial Zé Marcolino, haverá a realização de espetáculos musicais de Cultura Popular, Exposição de Xilogravuras e apresentações de Samba de Coco, Coco de Roda, Mazurca e as Bandas de Pífanos das duas cidades.  A grande expectativa da noite deste sábado será a apresentação da Pifeira Zabé da Loca (foto), ganhadora do Prêmio revelação da Música Popular Brasileira, edição 2009, com o CD Bom Todo.

FONTE:
http://www.paraibanews.com/cultura/monteiro-promove-intercambio-de-manifestacoes-artisticas-da-cultura-popular-do-semi-arido/