SIGA O MEU BLOG

domingo, 14 de março de 2010

DONA ANA (Guel Brasil)

       Dona'Ana negra miúda,
       Com um coração de gigante
       Que mal cabia em seu peito;
       Mãe, avó, bisavó, parteira
       E foi negra parideira,
       Desassistida em seu leito.

                       Com alforria de nascença,
                       Pela lei do ventre livre
                       Maldizia a escravidão;
                       Era de pouca estatura
                       Mas de uma formosura,
                       Que estonteava patrão.

               Negrinha de seios fartos,
               Mãe de leite da senzala
               Era orgulho de sinhá;
               Seu leite era disputado
               E até filhos bastardo,
               Vinham nela se fartar.

                       Dos quinze filhos que teve
                       Pelas senzalas da vida,
                       Apenas um conheceu;
                       Os outros foram tirados
                       Noutras senzalas criados,
                       Para o desalento seu.

               Foi a negra matriarca
               Do quilombo Suçuarana,
               Que tanto orgulho lhe deu;
               Cinco gerações passaram
               Doces lembranças ficaram,
               Quando Dona' Ana morreu.

*Miguel França Sampaio (Guel Brasil) é poeta

Um comentário:

Sonia disse...

Olá Carlos, Agradeço a sua visita e para retribuir vim aqui visitar suas poesias, que são muitos lindas.

Gosto de ler, muiito.


Abração